Anglo American

Anglo American: Gigante global de mineração busca as vantagens da integração de redes

Pergunte agora

Visão geral

Serviços globais gerenciados da BT levam colaboração e inovação até as áreas mais inóspitas do planeta

Quando a Anglo American aumentou para 85% sua participação na De Beers, o primeiro passo foi alinhar os sistemas de gestão e de governança. Como parte do processo de integração, o recém-nomeado CIO da De Beers, Craig Charlton, desenvolveu uma estratégia de TI voltada à otimização de valor e serviços em todo o grupo.

Para isso tornava-se necessário avaliar as parcerias estratégicas da Anglo American, incluindo o contrato global de serviços gerenciados de rede com a BT. Na realidade, como responsável pela concepção original dessa rede, ninguém melhor do que Craig para obter o máximo valor para a empresa no novo cenário.

Integrar nossas diferentes redes globais em uma única plataforma BT fez parte da estratégia para globalizar a infraestrutura de serviços da De Beers”.
- Craig Charlton, CIO, De Beers Group of Companies

Conectividade é crucial em negócios complexos

Do smartphone em que você controla sua vida aos trilhos do metrô que levam você ao trabalho, produtos que dependem da mineração são vitais no dia a dia do mundo de hoje. Mas eles se originam de pontos distantes, que não se distribuem de modo uniforme no planeta e raramente se encontram em áreas de fácil acesso – o que acarreta problemas muito específicos para as empresas que se dedicam à exploração de minérios.

A Anglo American é uma dessas empresas, e uma das maiores do mundo. David Heppenstall, CIO da Anglo American e responsável pela infraestrutura global explica: “trabalhamos nos mais remotos pontos do globo, a 3.500 metros de altitude nos Andes chilenos, e em localidades africanas de difícil acesso. Isso significa que nos defrontamos com desafios de conectividade raramente encontrados em outros setores”.

Recentemente estendido até 2018, o contrato global de serviços gerenciados com a BT desde o início levou a Anglo American a dispensar bom número de diferentes provedores de serviços para criar uma única infraestrutura mundial com base nos serviços BT IP Connect. De acordo com David, “isso nos assegura uma rede rápida e resiliente, onde quer que estejamos, permitindo-nos um maior grau de automação, além de aumentar a produtividade e estimular a colaboração dentro de nossas empresas e entre elas”.

Muitas vezes mais rápida e a um custo menor

Hoje a WAN (Wide Area Network) da Anglo American chega a 160 locais em 31 países, conectando cinco data centers regionais e cerca de 160 mil empregados e funcionários terceirizados. Pertencem à BT Compute dois entre os cinco data centers regionais que apoiam as operações da Anglo American – um deles em Hortolândia, no Brasil, e o outro em Dublin, na Irlanda. O serviço BT Internet Connect, a partir dos data centers da BT, proporciona, globalmente, acesso de alta velocidade à Internet.

“Uma das maiores vantagens que a BT oferece é seu estreito relacionamento com provedores locais de serviços. Isso além do profundo conhecimento do setor e da expertise técnica que coloca à nossa disposição”, comenta Charlton, CIO do De Beers Group of Companies.

As exigências em termos de rede mudaram. Inicialmente, o principal objetivo era unir as duas empresas. Durante esse processo, a Anglo American acrescentou voz e vídeo e outras aplicações de colaboração, e as seis classes de serviço (CoS), inerentes ao serviço global BT IP Connect possibilitavam priorizar os diferentes tipos de tráfego.

Mais recentemente, o BT Connect Optimisation veio aumentar a velocidade da rede e reduzir custos. Foram implementados em instalações da Anglo American em todo o mundo 68 appliances, contando-se entre eles dois em cada data center. Com tecnologia Cisco, esses appliances conseguem desempenhar seu papel de duas maneiras: em primeiro lugar, utilizando avançadas técnicas de compressão de dados para melhor utilização da banda; além disso, o caching local de arquivos pesados evita que sejam várias vezes retransmitidos diretamente via rede.

David Walls, diretor global de arquitetura da infraestrutura relata: “abandonamos a antiga rotina dos dispendiosos aumentos na largura de banda e passamos a consumir menos banda com mais eficiência – tornando a rede muitas vezes mais rápida e a um custo menor. Com o uso do BT Connect Optimisation a Anglo American estima uma economia de dezenas de milhões de libras ao longo da duração do contrato com a BT.

Tecnologia de colaboração promove integração global

Uma infraestrutura global utilizando fim a fim o BT IP Connect traz ainda outro grande benefício: a facilidade para introdução de novas ferramentas de colaboração. Inicialmente, um programa de convergência substituiu centenas de PABXs pelo serviço BT One Enterprise, baseado na tecnologia Unified Communications Manager (UCM), da Cisco. Cerca de 20 mil usuários estão conectados a hubs UCM em cada uma das quatro regiões da empresa, com discagem direta a ramais, com números de oito dígitos, em todo o mundo.

Ao mesmo tempo, onde a regulamentação do setor permite, o serviço BT One Voice garante ligações internacionais para telefones fixos e móveis por meio da rede da BT, incorrendo apenas em tarifas locais. Esse serviço aliado ao BT One Enterprise proporciona uma enorme redução dos custos de telefonia.

“Não se trata somente de economia. Agora trabalhamos como uma verdadeira comunidade global. A conexão com colegas, não importa onde estejam, se tornou muito simples: basta pegar o telefone e teclar alguns números. Assim, trocamos ideias e conhecimentos facilmente”, diz David Heppenstall.

A Telepresença fortalece o ecossistema e favorece compartilhamento de boas práticas

A Anglo American incluiu entre suas ferramentas de colaboração o serviço de vídeo BT One Collaborate, que trafega sobre a infraestrutura global BT IP Connect.

Seis salas imersivas Cisco TelePresence (duas em Londres, duas em Joanesburgo, uma no Rio de Janeiro e outra em Santiago) contam com 100% de utilização, com 99% de satisfação dos clientes. A funcionalidade CoS na infraestrutura global BT IP Connect contribui muito para esse índice de satisfação, ao priorizar o tráfego da videoconferência em relação a aplicações menos críticas no tempo. Em todo o mundo, a Anglo American possui cerca de 160 outros equipamentos de videoconferência.

Comenta David Heppenstall: “um dos nossos principais objetivos é encontrar e compartilhar melhores práticas em nossa empresa, onde quer que tenha sido adotada primeiro. Por exemplo, se alguém no Chile encontrou uma maneira melhor de usar nossa frota de caminhões, é preciso que sejamos capazes de difundir isso em todo o globo tão eficiente e rapidamente quanto possível”.

Como parte do serviço BT One Collaborate, a plataforma BT Global Video Exchange é utilizada para interconectar videoconferências em um ecossistema de parceiros e fornecedores, em conjunto com o serviço de bridging da BT, que oferece interoperabilidade para os aparelhos de usuários mais antigos, legados ao novo sistema.

“Um de nossos executivos seniores instalou uma sala de videoconferência em casa. Assim, ele pode colaborar com colegas em todo o mundo e não precisa viver a 35 mil pés de altitude. Nosso objetivo final é que pessoas com smartphones, telefones fixos, softphones (soft clients) ou Telepresença possam conectar-se, compartilhar e colaborar umas com as outras, quer estejam no escritório, em casa, ou em deslocamento”, comenta David Walls.

Uma aula de inovação em mineração global

A BT também está oferecendo o suporte necessário à mudança para serviços em nuvem. Entretanto, com a maioria de suas operações no Hemisfério Sul e aplicativos como Microsoft Office 365, Box e Jive hospedados no hemisfério norte, havia claramente o perigo de latência.

Para contornar esse problema, a BT projetou e implementou um gateway seguro de Internet em seu data center de Croydon e negociou acordos com a Microsoft, com a Amazon e com outros fornecedores. Dessa forma se consegue manter em alta velocidade o tráfego de nuvem da Anglo American sobre a infraestrutura global BT IP Connect, otimizado em longas distâncias pela tecnologia CoS. Quando o tráfego chega a Croydon, logo se liga aos provedores de aplicações por meio do super rápido serviço BT Internet Connect. Problema resolvido.

“O gateway Internet seguro da BT foi uma solução incrível, que nós adoramos”, diz David Walls, acrescentando: “recentemente nós alteramos o roteamento de nosso aplicativo de recrutamento e postagem de colocações em aberto, que passou a trafegar por ele, com um resultado impressionante”.

A De Beers se integra a um projeto especial

Em 2012, a Anglo American aumentou de 45% para 85% sua participação na De Beers (o governo da República de Botswana detém os outros 15%). Da mesma forma que minérios e metais, os diamantes não se encontram em lugares de fácil acesso. A De Beers trouxe instalações no Canadá que operam em condições extremamente adversas nos meses de inverno – quando os suprimentos são transportados por longos caminhos com lagos congelados e estradas cobertas de neve.

Craig Charlton observa que, “com seu histórico na prestação de serviços à Anglo American e a empresas ligadas a geração de energia e outros recursos, a BT adquiriu um enorme conhecimento no que toca a lidar com ambientes hostis. Agora, toda essa experiência se aplica também à De Beers”.

Por exemplo: antigas mudanças geológicas dotaram a costa africana de uma boa parte das reservas de diamantes brutos. Navios especialmente equipados para recolher diamantes do fundo do mar, permanentemente a serviço nas águas territoriais da Namíbia, irão em breve se beneficiar da tecnologia de micro-ondas oferecida pelo serviço BT Connect. Isso permitirá a esses navios conexão com terra por videoconferência, para planejamento e monitoração de operações de mineração.

Contrato flexível para lidar com “espaguete” na rede

Sob muitos aspectos a De Beers se encontra hoje na mesma situação que a Anglo American há cinco anos, época do primeiro contrato de serviços gerenciados com a BT. Com diversos provedores de serviço em todo o mundo e três backbones globais de rede, a infraestrutura da De Beers é pouco flexível e sua operação é cara.

Existem planos para integrar os três backbones da De Beers. Servindo a 70 instalações em todo o mundo, a conectividade será transferida diretamente para a rede global BT IP Connect da Anglo American. O novo contrato da BT inclui as cláusulas necessárias para eliminar a necessidade de constantes renegociações, evitando esforços e atrasos para ambos os lados.

“Essa migração de rede não será muito fácil. Além da logística, há outas questões complicadas, como a possibilidade de problemas nos endereços IP capazes de afetar toda a rede. A BT tem um histórico exemplar nesse tipo de projeto, e o time de especialistas da BT Advise já está trabalhando nesse programa, que deverá durar 12 meses. Quando ele se completar, nossa equipe de TI terá mais tempo para se dedicar a tarefas mais importantes na cadeia de valor do que constantes reparos na infraestrutura”, diz Craig Charlton.

Contando na África com redes de dados mais robustas e confiáveis do que as redes de voz do continente, o Microsoft Lync tem sido o meio de comunicação preferencial da De Beers. A adoção da rede global IP Connect da BT vai melhorar ainda mais as comunicações. Mesmo porque mais de 10 mil funcionários da De Beers em todo o mundo estarão integrados à plataforma de voz BT One Enterprise. E os recursos de acesso remoto seguro disponíveis para 4 mil e 500 usuários da Anglo American serão estendidos à De Beers.

A complexidade e o choque cultural na união de duas empresas não devem ser subestimados, e, de acordo com Craig Charlton, “o suporte da BT a nosso programa interno de comunicação foi muito importante. A competência e expertise técnica do time da BT tranquilizou nosso pessoal”.

Cooperação e colaboração entram em cena

A integração das duas empresas traz outras vantagens. Por exemplo, um problema ocorrido recentemente com o sistema de cadeia de suprimentos estava se refletindo em toda a infraestrutura da De Beers, acarretando respostas lentas, e prejudicando o moral e a produtividade das pessoas. O problema já persistia por duas semanas quando a BT Advise foi chamada. Após testes no gerenciamento de desempenho de aplicações, o problema foi isolado na camada de aplicações, fora da camada de rede. Com clareza quanto ao problema, a solução foi prontamente encontrada.

Durante o ano de 2013, o gerenciamento de dados sobre os mais de 30 milhões de quilates de diamantes produzidos anualmente pela De Beers foi transferido de Londres para Botswana, embora os escritórios corporativos permanecessem em Londres. Mas as instalações do sistema de videoconferência BT Collaborate contratado pela Anglo American irão assegurar a estreita colaboração entre as duas unidades.

“Quando iniciei o projeto, considerava-se inviável a operação de Telepresença de alta definição na África e outras regiões emergentes em função de limites relacionados a banda, estabilidade e custos. Agora, há 18 meses conseguimos fazer isso, com infraestrutura da BT, em uma clara demonstração da habilidade da empresa no trabalho em parceria com fornecedores locais e na entrega de soluções competitivas”, diz Craig Charlton.

Um elemento vital desse quebra-cabeças é a garantia da BT Global Customer Service de que os SLAs contratados serão atingidos e até superados. A rede como um todo é controlada do Centro de Operações de Rede da BT em Durban, para usuários de língua inglesa, e do Centro de Operações de Rede de São Paulo para os de língua portuguesa e espanhola. Em Londres, um gerente da BT Global Services coordena toda a equipe, que inclui membros em todos os países onde a Anglo American está presente.

Core services

  • BT IP Connect global, incluindo tecnologias de satélite e micro-ondas
  • BT Connect Optimisation
  • BT Internet Connect
  • BT One Voice
  • BT One Enterprise IP como plataforma de telefonia
  • BT One Collaborate, incluindo serviços globais de video exchange e video bridging
  • BT Unified Trading
  • BT Compute para serviços de data center
  • BT Advise Connect em serviços profissionais
  • Gerenciamento de serviços e de rede

recursos

Estudo de caso

Anglo American

PDF-1 MB